Ocorreu um erro neste gadget

5 Razões porque Deus nos chama a esperar

por Paul Tripp
No ministério, você será chamado a esperar e também achará pessoal e coletivamente difícil esperar. Então, é importante reconhecer que existem várias boas razões por que esperar não é meramente inevitável, mas necessário e útil. Aqui estão algumas dessas razões.

Porque vivemos em um mundo decaído

Somos chamados a esperar porque a condição decaída do mundo torna tudo o que fazemos mais difícil. Nada nessa vida ou no seu ministério realmente funciona como o originalmente pretendido. Algo mudou quando o pecado entrou no mundo, e ao repreender Adão, Deus resumiu essa mudança: “maldita é a terra… em fadiga obterás dela o sustento… ela produzirá também cardos e abrolhos… No suor do rosto comerás o teu pão” (Gênesis 3.17-19). O pecado trouxe atrito, problema, dor, suor, e outras milhares de complicações “cardos e abrolhos” para absolutamente todos os aspectos da vida. Encontramo-nos a espera porque tudo em um mundo decaído é mais trabalhoso e confuso do que ele realmente deveria ser.
O pecado também põe ganância, medo, arrogância, ciúme, e autoadoração dentro de todas as almas que vivem nessa vida de cardos e abrolhos. Devemos esperar pois, por sermos egoístas, impacientes, competitivos, motivados, ansiosos, e nervosos, tornamos a vida e o ministério mais difíceis para cada um em uma variedade infinita de formas. É por isso que uma conversa aparentemente fácil sobre liderança se torna um conflito sério, que um relacionamento antes doce no ministério fica manchado com dor e amargura, e porque a igreja às vezes, infelizmente, funciona como uma ferramenta de poder pessoal ao invés de um instrumento de adoração e redenção.
Processos e pessoas são afetados – tudo e todos foram danificados pela Queda. Devemos esperar, porque em um mundo que está quebrado, tudo que fazemos é mais difícil e mais complicado do que deveria ser.

Porque Deus é Soberano

Devemos esperar porque não estamos escrevendo nossa própria história pessoal e ministerial. A vida não funciona do jeito que queremos, e no tempo em que queremos. Você e eu não vivemos no centro do universo. Esse lugar está para sempre ocupado por Deus e somente Deus. Nossas histórias individuais e as histórias de nossas igrejas são parte da maravilhosa história que ele sozinho escreveu. Esperar torna-se imediatamente mais fácil quando você percebe que Deus é soberano (e voce não) e quando, além disso, você reflete a realidade que ele é o princípio de tudo que é sábio, amoroso e bom.
Esperar, no entanto, não é um sinal de que o seu mundo está fora de controle. Pelo contrário, é um sinal de que o seu mundo está abaixo do sábio e infinitamente bondoso controle de um Deus de insondável sabedoria e de um amor sem limites. Isso significa que você pode descansar enquanto espera, não porque gosta de esperar, mas porque confia nAquele que está te chamando a esperar.

Porque Deus é um Deus de Graça

Esperar é uma das mais poderosas ferramentas da graça de Deus. É importante perceber em seu ministério que Deus não somente nos dá graça por meio da espera. A própria espera é um presente da graça. Perceba, esperar não é somente sobre o que você vai receber ao final da espera. Esperar é sobre o que você se tornará enquanto espera.
Ao nos chamar a esperar, Deus está nos resgatando ainda mais da servidão dos nossos próprios planos, do nosso próprio conhecimento, do nosso próprio poder, do nosso próprio controle. Ao nos chamar a esperar, Deus está nos livrando dos nossos limites claustrofóbicos dos nossos pequenos reinos e nos atraindo para uma maior obediência ao seu reino de glória e graça. Esperar é mais do que ser paciente enquanto situações e outras pessoas mudam. Esperar é sobre entender que você e eu desesperadamente precisamos mudar, e esse esperar é uma ferramenta poderosa de mudança pessoal. Deus está usando a graça de esperar para nos mudar no núcleo de nossa personalidade: o coração. No ministério, isso é uma coisa boa!

Para que possamos ministrar aos outros

Esperar é algo central para qualquer atividade ministerial. Se você está verdadeiramente comprometido em ser parte do que Deus está fazendo nas vidas dos outros, você estará disposto a esperar. Mudança de vida e do coração é raramente um evento repentino. Geralmente, é um processo. Você e eu não determinamos quando e como os ventos do Espírito Santo vão soprar, e muitas vezes as pessoas não se tornam o que elas querem se tornar durante a noite.
Isso significa que no ministério somos chamados a ter a mesma conversa várias vezes. Somos chamados a corrigir aquela pessoa depois de cada fracasso, a estar dispostos a perdoar e conter-se, a lembrar alguém mais uma vez da presença e da graça de Deus, e a estar disposto a ter nossas vidas desaceleradas e complicadas nesse processo. Pessoas da graça e do amor são sempre pessoas que estão dispostas a esperar.

Para crescimento da glória de Deus

Finalmente, somos chamados a esperar porque tudo na vida e no ministério existe não para o nosso conforto e tranquilidade, mas para a glória de Deus. Toda a história da redenção é escrita com um propósito e um propósito somente: a glória do rei.
Esperar é difícil para nós porque amarramos nossos corações em outras glórias. Somos muitas vezes tentados a viver e ministrar para a glória da aceitação humana, da realização pessoal, do poder e posição, de bens e lugares, e de conforto e prazeres. Então, quando a glória de Deus requer que essas coisas sejam refreadas em nós - coisas que procuramos em busca de identidade, significado, e propósito – julgamos que esperar é uma experiência dura e fatigante.
Esperar significa abrir mão da sua própria glória. Esperar significa submeter-se à glória dele. Esperar significa entender que lhe foram concedidas vida e a respiração para a glória de outro. Esperar te dá a oportunidade de abandonar a ilusão de sua própria glória e descansar no Deus da assombrosa glória. Somente quando fizer isso, você encontrará o que buscava, e o que deveria ter: identidade eterna, significado, propósito, e paz em Cristo. Dessa forma, esperar é mais do que um fardo para suportar; é um presente precioso para receber com alegria.

Uma Palavra de Fé


O que você entende por Fé??

Esse tem sido um tema cada vez mais falado entre cristãos e não cristãos e talvez cada vez menos entendido. Quando se trata de Cristãos principalmente, muito se fala e se escreve sobre o tema mas pouco se analiza o que Jesus Realmente quiz dizer com "se tiveres fé do tamanho de um grão de mostarda" (Lc 17:6).

"No final do dia, Fé significa deixar Deus ser Deus" John Blanchard

"Fé é a razão para descansar em Deus" C.H. Spurgeon

"A Fé não é Ociosa, ela trabalha enquanto espera" Ron Dunn

Alguns autores entendem bem o que significa Fé e tentam expressar com suas palavras. Mas na palavra de Deus podemos entender a melhor descrição sobre o assunto. O autor de Hebreus direciona os ultimos capítulos da sua epístola a falar do que é Fé, de como se comportaram os seus heróis e o que cabe a nós como pessoas de Fé.

"Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos." Hb 11:1
Eu entendo que a Fé deve ser uma certeza, ela deve estar firmada no Senhor Jesus e deve estar convicta das suas promessas, principalmente no Cristianismo a Fé não é uma religião mas sim uma convicção e essa convicção que agrada a Deus (Hb 11:6).

Quando Jesus compara a Fe a um grão de mostarda deve haver um propósito maior, ele poderia ter ultilizado qualquer outra coisa muito pequena para usar como exemplo, mas o fato dele ter falado de uma semente traz algum ensinamento pra nós. Assim como a semente, a Fé é algo que bem plantada dará frutos, assim como o exemplo do grão de mostarda Ele nos ensina que não importa o tamanho da nossa fé, mas aonde ela está plantada. Não importa o tamanho da semente mas sim o solo que fará ela brotar, quando plantarmos nossa Fé em Deus esse é o motivo da semente frutificar e não o tamanho da fé.

Os tempos modernos tem exaltado muito a função da Fé, se valoriza o tamanho da Fé, o poder da palavra e que se você tiver Fé as coisas irão acontecer, o ato de ter Fé está conseguindo ter poderes mágicos. Mas o autor de Hebreus nos mostra outro tipo de Fé. A Fé que alguns versículos falam não foi somente a Fé que realizou milagres. A Fé relatada uma a uma no capítulo 11 é a Fé obediente, quando Ele cita os atos desses heróis algo vai totalmente ao contrário do que estamos acostumados a entender por Fé, veja essa lista:

Pela Fé...
  • Noé construiu a arca (trabalho braçal); (vers. 7)
  • Abrãao saiu para uma terra que não conhecia (confiança e disposição) porque esperava pela terra da promessa (enfrentava as dificudades confiando na palavra de Deus) e ofereceu Isaque (sacrifício); (vers. 8-10, 17)
  • Sara deu a luz a um filho (confiou e viu se cumprir no tempo Dele); (vers. 11)
  • Moisés negou as riquezas do Egito e foi para o deserto..(vers. 24-26)
E tantos outros heróis se destacam pela Fé obediente, e pela Fé que acima de tudo olha pra algo maior, olha pra CRISTO!!

Afinal o que leva pessoas a experimentarem "escárnios e açoites, e até cadeias e prisões" serem "apedrejados, serrados, tentados, mortos ao fio da espada; andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, desamparados, aflitos e maltratados "..????
A FÉ!!!

Ao lermos o capítulo 11 todo podemos tirar algumas lições:

1- Deus pode e realiza milagres (vers. 29 a 35a)
Esses homens mostram quantas e quantas vezes Deus agiu e que pela Fé eles alcançaram grandes milagres e tiveram suas orações respondidas de acordo com suas vontades;

2- Deus nem sempre faz isso (ver 35b a 38)
Pela mesma fé outros homens não tiveram o mesmo fim. Pela mesma Fé essses outros homens não viram em Cristo a promessa. Deus as veszes não nos dá o que pedimos, mas quando isso acontece ele nos da a Fé para esperar com o que temos.
A Fé não é algo determinante para sofrermos ou não, Deus É!
Não importa o quanto nos ensinem que se tivermos Fé Deus é bom o suficiente para não nos deixar sofrer, mas e na prática quantas e quantas pessoas se tornam frustradas porque investem toda a sua Fé em algumas vontades e ainda assim não alcamçam-as??
Na prática o que dizer dos missionários que vivem o evagelho bíblico pela Fé e que ainda assim sofrem diariamente perseguições e maus tratos??

O que fazer??? Eis a resposta:

"Homens dos quais o mundo não era digno deles"
Esse vérsículo nos mostra que essas pessoas são um presente de Deus para o mundo. Quando o mundo diz que precisamos ter algo para sermos felizes, esses homens mostram que Deus é suficiente!
A Fé de homens que se deleitam em Deus mais do que na vida, mais do que em seus planos, mais do que qualquer outra coisa que lhe pareça faltar.
A Fé que é loucura para o mundo, a Fé que a mente humana não pode entender, não é aquela que se consegue o que se quer, isso é natural do ser humano, isso é natural de Adão isso é natural até mesmo do pecado, mas quando olhamos para o autor e consumador da verdadeira Fé temos um exemplo (Hb 12:2,3) suportar a cruz, a afronta mas para um propósito maior.
Isso é Fé!!

Quando você entender o que é isso o autor lhe deixa um ultimo recado, mostre ao mundo a VERDADEIRA Fé:

"Saiamos, pois, a ele fora do arraial, levando o seu vitupério. Porque não temos aqui cidade permanente, mas buscamos a futura. Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. " (Hb 13:13-15)

A Ele a Glória,
Jaqueline Graziela

Uma pausa pra refletir...


Em alguns momentos da vida é necessário parar e ter como companhia você mesmo...
Não que outras companhias sejam ruins mas os diversos ruídos podem atrapalhar quando a voz de Deus é apenas um sussurro.
E são nesses momentos que você se analiza e consegue ver alguns traços de maturidade..
São depois de algumas tempestades que você começa a perceber que elas quase sempre são apenas chuva de verão diante do que Deus quer fazer em você e através de você.
É quando o tempo nem sempre é um amigo que você entende que não pode atrasa-lo nem adianta-lo, mas que ele é uma das ferramentas mais usadas por Deus para exercer nossa confiança.
Você percebe que pessoas e momentos são muitas vezes inesquecíveis, mas que muitas delas fazem parte somente de um degral da escada da vida.
Percebe que quando você é mais tentado a fazer as coisas da sua vontade é quando é mais necessário aguardar e entender qual a vontade de Deus, pois apenas um relance de "proatividade" pode desestruturar pilares da construção que Ele está fazendo.
Você percebe que só dará valor aos primeiros raios de sol se realmente esteve esperando o amanhecer durante toda a madrugada.

São em momentos de solitude, quando só existe o Senhor ao seu lado que você enxerga que talvez não esteja sendo uma boa companhia nem pra você mesmo
Mas são também nesses momentos que você valoriza o que Ele está fazendo em você, que enxerga que é um projeto ainda inacabado e que diante de tantas falhas entende que a única solução é se colocar totalmente como um vaso nas mãos do Oleiro, ainda que Ele precise refazer muita coisa, você entende que Ele sabe o que estar fazendo e que ainda que doa será pra lhe tornar alguém que o glorificará.

Com perdão pelo desabafo,
Jaqueline Graziela

Poema Voltemos ao Evangelho

Eu tenho palavras para vocês. Existem palavras que são doces como o mel, mas melhor são as palavras duras e verdadeiras do que as adulações mentirosas. Ouçam-me, pois tenho palavras para vocês.
Ouçam-me como um jovem que, assim como vocês, possui o sopro de Deus, assim como Jó ouviu a Eliú. Ouçam-me como um apaixonado pelo Evangelho, como Estevão que se levantou para defender a verdade. E, ouçam-me como um jumento que não fala palavras de si próprio, assim como Balaão ouviu a uma mula. Porque no que posso eu gloriar-me, se o homem só pode receber algo bom se dos céus lhe for dado?
Ouçam-me não crendo que pretendo rebelar-me, gloriar-me, exaltar-me. Ouçam-me como quem fala desesperado, como quem fala apaixonado, como quem fala deslumbrado. Não achem em minhas palavras rancor ou ira, rebelião ou rebeldia, contenda ou disputa. Encontrem amor e comunhão, encorajamento e exortação, vida e afeição.
Ouçam-me, pois para vocês tenho palavras. E tudo que peço é que voltemos ao Evangelho. Que não adicionemos nada a cruz de nosso Senhor e que preguemos perpetuamente seu grande amor. Pois achei um tesouro que é velho, mas que a cada dia se renova e jamais se deteriora.
Do que vale ganharmos o mundo inteiro e perdemos nossa alma? Ou ganharmos toda cidade se os de dentro não sabem se de fato salvos são? Queremos conquistar as nações, mas para quem está dentro não temos pão. Como diante de tudo o que hoje acontece poderia eu ter calma?
Os fariseus iam além mar para ganhar um discípulo e o tornar tão vil quanto eles. Será que temos buscado o perdido para perdê-lo ou enganá-lo ou temos mostrado o caminho estreito e apertado?
Pregamos sobre tantos assuntos, mas desconhecemos a essência? Do que vale viver este evangelho moderno feito de aparência? Um evangelho vazio, água com açúcar que tem em mente promover o bem estar do homem do que a glória do Deus que precede toda existência.
Ouçam-me, pois para vocês tenho palavras. E tudo que peço é que voltemos ao Evangelho. Que não adicionemos nada a cruz de nosso Senhor e que preguemos perpetuamente seu grande amor. Pois achei um tesouro que é velho, mas que a cada dia se renova e jamais se deteriora.
Nossos filhinhos não sabem que seus pecados foram perdoados. Nossos pais não conhecem aquele que é desde a eternidade. Nossos jovens não vencem o maligno, pois não foram transformados. E nossas ovelhas desgarradas andam pelo caminho da vaidade.
Não sabemos compartilhar a razão de nossa esperança, pois tudo o que temos ouvido é a lei e nela não deveria repousar nossa confiança. Mas deveríamos falar sobre a bem-aventurança daquele que foi achado em Cristo e daquele que nele pôs toda segurança.
Não precisamos de mais dez passos para alcançar a felicidade. Será que ninguém percebeu que isso até agora para ninguém se tornou realidade? Que nossa paz não se inclina sobre a nossa capacidade, mas sobre aquele que no madeiro tomou nossa maldade.
Ouçam-me, pois para vocês tenho palavras. E tudo que peço é que voltemos ao Evangelho. Que não adicionemos nada a cruz de nosso Senhor e que preguemos perpetuamente seu grande amor. Pois achei um tesouro que é velho, mas que a cada dia se renova e jamais se deteriora.
Reduzimos o Evangelho a simples leis e dele tiramos toda beleza, como se pudesse partir para coisas de maiores realezas. Mas assim não seja! Pois o evangelho que temos pregado hoje em dia só tem trazido incertezas e o Evangelho de Cristo é e sempre será a nossa fortaleza.
Tudo o que tenho ouvido é como viver uma vida de vitória. Nosso evangelho centrado no homem esqueceu-se de doutrinas tanto pregadas pela história. Não pregamos mais a Trindade, a Justificação pela fé, a Salvação pela graça, a Regeneração pelo Espírito e que a Deus pertence toda a glória.
Por isso eu não só peço, mas suplico que voltemos à simplicidade da cruz. Que preguemos o Verbo Encarnado, rejeitado pelas trevas por ser a Luz. Jamais devemos esquecer que o caminho, a verdade e a vida é Cristo Jesus. E foi por este motivo que este texto eu compus.
Ouçam-me, pois para vocês tenho palavras. E tudo que peço é que voltemos ao Evangelho. Que não adicionemos nada a cruz de nosso Senhor e que preguemos perpetuamente seu grande amor. Pois achei um tesouro que é velho, mas que a cada dia se renova e jamais se deteriora.

Faços desse poema as minhas palavras, palavras simples mas desesperada de alguém que deseja o simples mas verdadeiro evangelho sendo o centro da atenção entre os "evangélicos". Chega de palco, olhemos para o calvário, chega de brilho, olhemos para o sangue, chega de decretar, é hora de viver.
Jaqueline Graziela

Em mim

O que fazer diante de desafios do Senhor??
O que fazer quando estamos fazendo um certo trabalho e quando entendemos como ele funciona e nos sentimos confortável fazendo o Senhor vem e nos surpreende.
Alguma vez na vida você já disse "Eis-me aqui"??
CUIDADO, se você gosta de conforto essa não é uma palavra muito segura.
Mas quando confiamos em um Deus bom e de Amor todos os desafios são seguros. Ainda que nos traga uma imensa adrenalina como pular de uma grande altura sem proteção... quando confiamos Nele entendemos que se Ele nos pede pra pular é porque está com as mãos estendidas pra nos pegar mais embaixo.
Ele não nos deixa em apuros, Ele não faz escolhas erradas, Ele não usa ferramentas enferrujadas, Ele não faz nada sem propósito...
Se você tem vivido esse momento se deleite nessa canção, ela não tem explicações ou respostas mas é uma oração de redenção, se lançando nas mãos Daquele que nos capacita, e que age através de nós.

"Se Você me pede para pular
Fora do meu bote sobre as ondas
Se você me pede para ir
Pregar para o mundo perdido que Jesus salva

Eu irei, mas não consigo ir sozinho
Porque eu sei que não estou por conta própria
Mas o poder de Cristo em mim me faz forte
Me faz forte

Porque quando estou fraco, Você me faz forte
Quando estou cego, Você brilha Sua luz sobre mim
Porque eu nunca sobreviverei vivendo por meio da minha habilidade
Como é revigorante saber que Você não precisa de mim
Quão maravilhoso é descobrir que Você me quer
Então eu permanecerei na Sua verdade, e lutarei com o Seu poder
Até que Você traga a vitória, pelo poder de Cristo em mim

Se Você me pede pra correr
E carregar Sua luz para uma terra estrangeira
Se Você me pede pra lutar
Livrar Seu povo das mãos de satanás

Para alcançar com Suas mãos
Para aprender através de Seus olhos
Para amar com o amor de um salvador
Para sentir com Seu coração
E para pensar com Sua mente
Eu daria último suspiro pela Sua glória"

E se a resposta for Não, ou Ainda Não??

Você já pensou sobre as suas vontades???

Na interpretação da palavra:
1. Faculdade comum ao homem e aos outros animais pela qual o espírito se inclina a uma acção.ação.ação. 2. Desejo. 3. Acto.Ato.Ato de se sentir impelido a.

Como nossas vontades nos movem, como nossos desejos movem toda a nossa vida. Quando fazemos algo com vontade, esse algo se torna agradável e parece não levar tanto tempo ou esforço, mas experimenta fazer a mesma coisa sem uma motivação; até o trabalho mais leve e até sair de casa se torna a coisa mais trabalhosa do mundo.
E quando a vontade de Deus se opõe a nossa?
E quando queremos muito alguma coisa e vem o Senhor dos Senhores e diz NÃO, ou até AINDA NÃO??
Tentamos não pensar muito dessa forma e buscamos nos convencer que se formos “fiéis” Ele satisfará o desejo do nosso coração (Sl 37:5), dizemos que tudo o quanto pedirmos em nome do Pai Ele nos concederá (1 Jo 5:15). Mas a verdade é que nem sempre todas as nossas orações são respondidas. A verdade é que quanto mais nos parecermos com Jesus e orarmos “que não seja feita a minha vontade e sim a Tua” (Lc 22:42) mais nos surpreenderemos que podem ir contra as nossas vontades. É nessa hora que devemos lembrar:

"Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos." (Is 55:9)

"Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o SENHOR; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais."(Jr 29:11)

Sim, o Senhor concede sim resposta aos nossos pedidos, Ele tem prazer nisso, mas Ele não é dominado por isso. Ele não irá fazer algo que queremos se isso ferir a sua vontade e não se encaixar em seu plano. Muitas vezes Ele não nos atende ate mesmo por querer nos livrar, você já se deu conta se quantas vezes pediu a coisa errada e depois agradeceu ao Senhor porque Ele não deu? Pois é, Ele sabia: "Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites" (Tg 4:3).
Mas saber de tudo isso torna as coisas mais fáceis?
Não mesmo, mas nos ajuda a confiar. Ainda que doa não ter algo tão desejado sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que O amam (Rm 8:28), e que ainda que não esteja da minha forma está da melhor forma que poderia estar, e que Ele sempre está no controle . O que fazer agora?? "É necessário que ele cresça e que eu diminua" (Jo 3:30) pois somente quando vivermos "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim;"(Gl 2:20 a) poderemos nos alegrar com todas as nossas vontades satisfeitas, pois quando não vivermos mais as nossas vontades serão sempre ligadas as vontades Dele.

Não conseguiu ainda?? Eu também não, mas o poder Dele se aperfeiçoa nas nossas fraquezas (2 Co 12:9) e essa será sempre uma luta enquanto habitarmos em um corpo corruptível.
Mas quer um conselho? subjugue suas vontades as Deles, ainda que doa, ainda que pareçam estranhas entenda que Ele está no controle e que tem sempre o melhor, descanse como uma criança que está sendo guiada pelo pai e que sabe que sua visão alcança mais loge que a dela, "E que a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus." (Fp 4:7)

Jaqueline Graziela

Igreja perseguida... ORE

Algumas imagens valem mais que mil palavras..

Essa é uma que dispensa explicações. Chocante?? Exagero?? Quantos porcentos dos Cristãos que você conhece já ouviu falar na Igreja Perseguida? E quantos deles oram por ela???


Eu não acho exagero da imagem.. é a realidade.

Faça a sua parte. Conheça, interceda!!




Saiba mais sobre os Cristãos perseguidos.


Jaqueline Graziela

Eu não sou cristão, mas vou a sua igreja esse domingo.

"OK, eu não sou cristão, mas eu finalmente tomei a decisão de vir à sua igreja este domingo. Embora não espere muito de mim. Se algum programa aparecer talvez eu não vá, mas agora eu estou planejando isso.Eu sinto que tenho que ir, mas não sei o porquê. Eu quero te dizer algumas coisas sobre mim antes de você me conhecer.

1. Eu não estou indo para entender frases ou linguagem religiosa então tenha consciência disso quando nos falarmos. Eu não entendo frases como “morto no espírito”, “Deus está movendo em mim”, “coberto pelo sangue”, “eu preciso morrer para mim mesmo”, “você deve estar de acordo com a Palavra”, “o que você precisa é uma nova vida”, etc. Se nós tivermos uma conversa cheia de discurso religioso, eu provavelmente não entenderei metade das palavras… e talvez acharei você um pouco louco.

2. Quando você me perguntar como estou, saiba que eu não confio em você. Eu provavelmente mentirei e direi que estou bem. Não é que não quero te contar; é só que eu senti muita dor e não estou seguro se já confio em você. Que tal você contar a sua história primeiro? Se eu gostar de você e sentir que não está tentando capturar a minha alma ou algo assim, eu te conto a minha história.
3.Eu tenho uma linguagem muito grosseira e eu posso me tornar amargo e irritado com algumas coisas. Se eu sentir em você uma mentalidade de superioridade, eu estou fora. Se você só estiver esperando a sua vez para falar ao invés de me ouvir verdadeiramente, eu não vou me interessar. Não espere que eu seja como você.
4.Não comece a me apresentar para todos que você conheça. Eu entendo algumas pessoas, mas por favor; não crie uma linha de boas-vindas. Eu já estou lá para conferir; Eu preciso de um pouco de espaço.
5. Eu estarei procurando por interesses genuínos em mim. Eu não quero me sentir como o seu projeto de salvação pessoal ou ser uma marca “eu salvei alguém” em seu cinto. Se este Jesus é quem você fala que é, então estou procurando vê-lo em você. É assim que funciona, certo?
6.Eu vou ter dúvidas. Eu preciso da verdade, não das suas preferência ou da sua religião, portanto você pode me contar somente o que Bíblia diz?
7.Eu preciso me sentir bem-vindo. Há um tempo limite ou algo na minha visita antes que que eu me sinta indesejável?) Quer dizer, eu fui a outras igrejas e nelas parecia que havia uma pressão em mim para que eu fizesse a minha cabeça ou algo assim. O quanto vai demorar até que eu não me sinta mais bem vindo?

Obrigado por me ouvir. Eu tenho quase certeza que vou neste domingo. Mas talvez eu não vá."




Extraído do site iprodigo

Autor:Thomas Weaver

Proibida a Entrada de Pessoas Perfeitas

Voltando aos comentários de livros. Para não ficar muito tempo sem atualizar e como não tenho tido muito tempo de criar textos novos, mas ao contrário tenho lido muita coisa boa e vou seguindo com um espaço de indicação do que tenho lido de bom.

Como já tinha dito antes só vem pra cá os "acima da média", e esse não foi diferente, pelo contrário, ele ficou bem acima da média e acima dos melhores.


PROIBIDA A ENTRADA DE PESSOAS PERFEITAS

Um chamado para a tolerância na igreja



Escrito para pastores, líderes e todos os interessados em ampliar o impacto exercido pela Igreja, Proibida a entrada de pessoas perfeitas mostra como criar a cultura do tipo "venha como você está", auxiliando na difícil tarefa de construir uma ponte sobre o abismo existente entre a igreja e o mundo pós-moderno.

O livro é totalmente Completo, começa abordando como se conportava a igreja de Corinto para fazer um paralelo com a realidade de uma américa pós-moderna. O Escritor preenche todo o livro com histórias reais da sua igreja a Gateway em Austin, essas histórias dão uma base totalmente real para nos aproximarmos cada vez mais das necessidades dos não cristãos e para entendermos os desafios de contruir uma fé solida nos dias de hoje.

O livro é dividido também por culturas a serem conquistadas por um líder para que o perdido se sinta aceito e livre pra entender quem é Cristo, ele nos confronta a criar cultura contra o medo, a hipocrisia, o legalismo, o homossexualismo, o liberalismo dentre outros... No final de cada capítulo existe perguntas para refletirmos sobre esses assuntos e perguntas para debate e confrontação em pequenos grupos.

Realmente é um livro de Confrontação, não adianta somente ler e entender como temos sido indiferentes a realidade e a necessidade da sociedade e escolhermos ficar do mesmo jeito. Posso dizer que tirei muitas lições e que estou tentando por em prática.


Tente você também!!




Boa Leitura

O Jesus que eu conheci..



Essa é um pouco da minha história..Estranho escrever tanto o que eu penso sem nunca ter escrito o que realmente vivo, e como me relaciono com esse Deus que eu tanto falo...


Li uns textos muito lindos sobre "Jesus e EU.." numa sério do blog do Maicon Custódio e me inspirei muito a escrever a minha história (baseado no texto "Jesus e Eu... por toda a vida")


Cresci num lar cristão, meus avós paternos são católicos e minha avó materna evangélica, essa sempre teve uma inflência maior sobre a minha vida, consequencia do tempo que ficava na casa dela enquanto meus pais trabalhavam. Ela me apresentou o primeiro Jesus, o filho de Deus que é um homem bom, que está na igreja e que devemos fazer as coisas certas pois ele iria ficar muito "contente".

Na minha adolescância conheci o Jesus que estava me vijiando, que estava sempre de olho nas minhas conversas e diversões com os amigos, e que sempre me apontava o dedo quando eu não me comportava como o pessoal da igreja deveria se comportar. Sempre ouvia Ele dizer: “não pode”.“Não faça isso.” “Não pense nisso.”“Você vai pro inferno.”
Quando minha mãe se converteu eu conheci um Jesus que transforma, que faz as pessoas escolherem fazer as coisas certas mesmo sem ser obrigadas a isso, tornando isso uma coisa boa. Mas eu ainda não tinha vontade de fazer essas coisas, Aquele Jesus era cheio de regras e eu não queria alguém que me controlasse, nem ainda sentia liberdade pra seguí-lo. Eu sempre era sincera com Ele, me entregaria um dia se Ele quisesse, mas Ele teria que fazer com que isso fosse voluntário e não um sentimento de prisão, só tinha medo de uma coisa: A volta de Jesus que me falavam, algo me dizia que realmente eu não iria...

Realmente Aquele Jesus me conhecia (ainda que eu não O conhecesse), e por volta dos 18 anos Ele resolveu mexer com minha vida de uma forma que eu visse que precisava Dele. Não foi o melhor momento da minha vida (pelo contrário, foi um dos piores) mas eu sabia que algo me levava a Ele. Fui a uma igreja que me apresentou outro Jesus, um Jesus que se preocupava comigo, um Jesus que realmente queria colocar ordens na minha vida, bastava somente eu entregá-la nas suas mãos e foi a melhor decisão que eu tomei.

Desde então a minha vida é Dele, sei que Ele me conhece por inteiro, mas nem todo mundo conhecia como Ele se relaciona, e algumas características que me apresentaram foram bastantes distorcidas do que Ele realmente pretendia comigo. Desde o início dessa entrega eu tentei seguir o padrão das outras pessoas que o seguiam, mas parece que não funcionava. Quanto mais Ele fazia por mim, mas eu achava que precisava recompesá-lo ou fazer alguma coisa para merecer aquele cuidado.. com um tempo isso se tornou um peso, ser igual a Jesus era uma cobrança muito grande para mim, se é que alguém conseguia, eu não...
Qual não foi minha surpresa ao me deparar com um novo Jesus. Esse sim tem me supreendido. As pessoas que tentaram me explicar até que deram muito das suas características, mas não se conhece alguém ouvindo sobre, mas sim convivendo..

" E é difícil falar dele. Parece que faltam palavras que O definam. Ele é inflexível nas suas leis, como o Jesus da minha adolescência, mas não é agressivo. Tem uma autoridade diferente no olhar, que ao mesmo tempo intimida e consola. Não me dá medo, mas segurança.
Ele entende o que sinto. Perdoa quando faço “coisas feias”. Isso me comove e muitas vezes, como agora, me faz chorar. Nunca sei se é de tristeza ou de alegria, sei apenas que, quando o choro acaba, a dor passou e já me sinto melhor. Sei que com ele está tudo bem.
Ele não fala comigo todos os dias, mesmo assim não consigo esquecê-lo momento algum. Parece que agora tudo em mim aponta pra ele. Se eu tivesse um pouco do talento literário de C. S. Lewis, esse texto teria ficado bem melhor. Meu Jesus é tão parecido com o Aslam de Lewis..."

Ele não me cobra a fazer a coisa certa, mas eu entendo que elas sempre são melhores pra mim, Ele não briga comigo quando não "converso" muito tempo com Ele, mas Ele anseia muito por esse momento pois sabe que assim crescerei e conhecerei os melhores sonhos que Ele tem pra mim. Quando eu caio, Ele não aponta me condenando, mas Ele me estende a mão me mostrando onde eu escorreguei. Ele não me coloca um peso nas costas, Ele já levou todos sobre a Dele...

Ele não me cobra para que eu fale sempre Dele, mas como não falar de alguém que é o sentido da sua vida??

Que todos vocês possam conhecer esse último Jesus, bem diferente de tudo que a religião apresenta, mas que é mais Real que qualquer amigo.

Por Favor, Seja fora de Moda

Nos últimos dias tenho refletido muito sobre o comportamento de alguns Cristãos que tem se preocupado mais em parecer igual do que diferente de uma sociedade. Antes de colocar isso em palavras li um texto de Tullian Tchividjian que descreveu totalmente minha linha de pensamento, mais ainda, gerou um apelo que se tornou o meu nesse momento. Segue:


"Minha maior preocupação é que muitos cristãos, especialmente na América, parecem estar tão fascinados com sucesso, popularidade, poder e prestígio quanto as pessoas que estão ao seu redor. Materialismo, consumismo, individualismo e narcisismo – ideais culturais que são a antítese da natureza sacrificial do Evangelho – estão prevalecendo tanto dentro da igreja, como fora. É triste que a igreja americana seja mais conhecida por produzir estrelas auto promovidas do que servos humildes.

Se cristãos praticantes fizessem uma lista honesta de quais objetivos e desejos os motivam, descobriríamos que eles não são realmente diferentes do mundo ao nosso redor. Portanto, não temos nenhum direito de apontar o dedo em acusação para aqueles que estão do lado de fora da igreja por conta da situação do mundo atualmente. Muitos estudos mostram que cristãos são praticamente iguais aos não cristãos no que se trata de buscar fama e fortuna. Cristãos querem se adaptar como qualquer pessoa. Então nós, como qualquer pessoa, gastamos nosso tempo, dinheiro e intelecto buscando o que todos estão buscando, seja lá o que for.
O problema é: eu quero ser um grande cristão, e eu quero que você também seja. Eu quero que a igreja esteja cheia de pessoas como
Policarpo. Policarpo foi um homem cheio do Espírito; eu quero ser um homem cheio do Espírito. Toda a existência de Policarpo foi dedicada a Deus e seus caminhos ‘fora de moda’. Nada além disso pode explicar sua perspectiva divina durante o momento mais difícil de sua vida. Ele se recusou a desistir e se deixar levar. Para ele, seguir a Deus não era uma piada ou um concurso de popularidade. Era um homem inebriado por Deus que viveu sua vida coram Deo (perante a face de Deus) e que não tinha medo de qualquer coisa que esse mundo pudesse fazer a ele.
Eu não sei você, mas eu não quero brincar com a minha vida. Eu quero largar tudo em nome de Cristo. Eu não quero que minha espiritualidade tenha um quilometro de comprimento e um centímetro de profundidade. Eu quero ter a coragem de não me importar e ser fora de moda. Sinto-me envergonhado por aqueles momentos em que tenho medo de ser ridicularizado em nome de Cristo por que o mundo pode pensar que eu sou muito estranho. Eu quero seguir incansavelmente a Deus e a sua vontade, independentemente do que vão pensar de mim. Quero viver minha vida, como diriam os Puritanos, diante de “uma platéia Única”.
Cristãos que tentam convencer o mundo ao seu redor que não são diferentes em nada, esperando ser aceitos pelos padrões do mundo deveriam se envergonhar. É hora dos cristãos aceitarem o fato de que são pessoas peculiares. Já que os verdadeiros seguidores de Jesus receberam um novo coração e uma nova mente, devemos agir de acordo com um novo padrão, com objetivos e motivações diferentes. Tudo ao nosso respeito – nossa perspectiva sobre riquezas, estilo de vida e relacionamentos – deve ser fundamentalmente diferente do mundo ao nosso redor: “Adoramos o que não podemos ver, amamos o que não podemos tocar, e vivemos pelo que não podemos possuir”. Para o mundo ao nosso redor, isso vai parecer diferente, sem graça, e estranho; passou da hora dos seguidores de Jesus aceitarem isso."


Tullian Tchividjian

FONTE: Iprodigo

Dedo em riste

"Sexo verbal, não faz meu estilo

Palavras são erros,e os erros são seus...

Não quero lembrar, que eu erro também.


Um dia pretendo tentar descobrir,

Porque é mais forte, quem sabe mentir...

Não quero lembrar, Que eu minto também..."

Renato Russo



Ok! Não costumo colocar músicas seculares no blog, mas tenho refletido muito sobre algumas. Tenho refletido em uma sociedade que classificado tudo, generalizando e jugando de acordo com os seus padrões mais adequados.

Partindo das músicas: Se é "gospel" pode (idenpendente se o que ela fala seja verdade bíblica ou heresia) e se é secular não pode (ainda que fale de verdades de uma sociedade ou de pensamentos altamente cristãos).

Essa letra contexta exatamente isso, o quanto é fácil apontar os erros dos outros para esquecermos dos nossos próprios erros. A hipocrisia sempre e ao mesmo tempo nunca esteve tão criticada, mas ao mesmo tempo tão vivida. John Burke usa uma frase que exemplifica muito isso.

"Muitos ainda precisam entender que todo mundo é hipócrita até certo ponto. A única questão é se percebemos e somos honestos quanto a isso."


Os não Cristãos criticam os cristãos por serem religiosos, por pregarem amor e não viver. Os Cristãos criticam os incrédulos por não terem um Deus e não viverem uma vida baseada na santidade. Os evangélicos criticam os católicos, por serem adoradores de imagens e dogmáticos. Os católicos criticam os evangélicos, por serem fanáticos e só pensarem em dinheiro. Por sua vez, os evangélicos tradicionais criticam os pentecostais por serem emocionais e por não praticarem a ordem no culto. Já os pentecostais criticam os tradicionais por serem racionais demais não darem espaço ao Espírito Santo. Os das igrejas com doutrinas rígidas criticam a igreja chamada emergente por não fazerem diferença no mundo e por adotarem práticas e vestimentas malíguínas que "não convém" a um crente. Já os das igrejas emergentes criticam aos de doutrinas mais rígidas, condenando-os por não contextualizarem o evangelho e por não fazer o papel de Cristo em andar com pecadores e amá-los.

Nas igrejas os grupinhos também fazem suas concepções. Os que tem uma vida constante de leitura e consagração criticam os que não têm por serem relaxados e carnais. Os que são menos disciplinados na busca cristã criticam o outro grupo por quererem ser "santos demais" e não aproveitar a vida. Os que buscam os frutos do Espírito não dão muita importância aos dons e criticam os que dão demasiada importância a eles. Já os que buscam os dons esquecem completamente que a árvore se conhece pelo fruto, e menosprezam os que fazem deles algo tão importante. Os que têm uma situação social mais elevada criticam os que não tem por usarem roupas fora da moda e sem ser de marcas e por só quererem frequentar locais de má qualidade. Os que nãõ podem bancar a vida social como a dos outros criticam estes de serem elitistas e de selecionarem suas amizades de acordo com classe social...

Bem e por aí vaí.. ainda poderia falar de homens X mulheres, namoros X corte, Jovens X Pais, Adoração X Pagode e etc, etc, etc. O que temos vivido mesmo é uma sequencia de divisões acompanhada de julgamentos. Quando paro pra abservar vejo que cada um desses argumentos tem a sua causa de verdade, cada lado erra sim em algum ponto de vista, mas isso não leva a crer que eu não erro em outro.

Minha intenção hoje não é defender o que está errado, mas fazer nós olharmos pra nós mesmos e vermos que nenhum de nós é completamente certo, por isso devemos olhar para o nosso próprio umbigo antes de usarmos nossas palavras somente para criticar.

Devemos entender que só houve um Perfeito, só Ele poderia realmente nos apontar sem nenhuma mancha que o acusasse, mas ainda assim Ele não fez.

E o maior exemplo de todos ainda nos deixou um recado:

"Sede, pois, misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; soltai, e soltar-vos-ão.

Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo. E dizia-lhes uma parábola: Pode porventura o cego guiar o cego? Não cairão ambos na cova? O discípulo não é superior a seu mestre, mas todo o que for perfeito será como o seu mestre.

E por que atentas tu no argueiro que está no olho de teu irmão, e não reparas na trave que está no teu próprio olho? Ou como podes dizer a teu irmão: Irmão, deixa-me tirar o argueiro que está no teu olho, não atentando tu mesmo na trave que está no teu olho? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então verás bem para tirar o argueiro que está no olho de teu irmão."

Lc 6: 36-42

Creça, reconheça e se cale antes de ser o dono da verdade.
Jaqueline Graziela

Um buraco em Nossa Santidade

Tenho uma preocupação crescente de que os evangélicos mais jovens não levem a sério o chamado bíblico para a santidade pessoal. Eles estão muito tranquilos com o mundanismo em seus lares, muito descansados com o pecado em suas vidas, muito satisfeitos com a imaturidade espiritual de nossas igrejas. A missão de Deus no mundo é salvar um povo e santificar seu povo. Cristo morreu “para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou” (2 Co 5.15). Fomos escolhidos em Cristo “antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele” (Ef 1.4). Cristo “amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela, para a santificar, purificando-a com a lavagem da água, pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, mas santa e irrepreensível” (Ef 5.25-27). Cristo “deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo seu especial, zeloso de boas obras” (Tt 2.14).

J.C. Ryle, o Bispo de Liverpool do século XIX, estava certo: “Devemos ser santos, pois esse é o grande fim e propósito pelo qual Cristo veio ao mundo… Jesus é um Salvador completo. Ele não tira meramente a culpa do pecado de um pecador, Ele faz mais – Ele destrói seu poder (1 Pe 1.2; Rm 8.29; Ef 1.4; 2 Tm 1.9; Hb 12.10)”. Meu medo é que, enquanto corretamente celebramos, e em alguns lugares redescobrimos, do que Cristo nos salvou, reflitamos pouco e nos esforcemos pouco em relação a para que Cristo nos salvou. A busca da santidade não ocupa o espaço que deveria em nossos corações. Existem muitas razães para a relativa negligência da santidade pessoal.
Jesus é um Salvador completo. Ele não tira meramente a culpa do pecado. Ele faz mais – Ele destrói seu poder.

1) No passado, era muito comum igualar santidade com abster-se de algumas práticas tabus como beber, fumar e dançar. Em uma geração anterior, piedade significava que você não praticasse essas coisas. Gerações mais novas tem pouca paciência com esse tipo de regras. Eles ou discordam dessas regras ou descobrem que já têm todas as justificativas, logo não há nada para se preocupar.

2) Junto com a primeira razão há o medo de que a paixão pela santidade transforme você em um tipo de resquício estranho de uma era passada. Logo que se começa a falar sobre palavrão ou filmes ou música ou modéstia ou pureza sexual ou autocontrole ou simplesmente piedade, as pessoas ficarão nervosas, tememos que outros nos chamem de legalista, ou pior, de fundamentalista.

3) Vivemos numa cultura do legal, e ser legal significa que você deve se diferenciar dos outros. Isso geralmente significa ir mais além em relação ao vocabulário, ao entretenimento, ao álcool, e à moda. É claro, santidade é muito mais que essas coisas, porém, num esforço de ser cool muitos cristãos descobriram que santidade não tem nada a ver com essas coisas. Eles aceitaram voluntariamente a liberdade cristã, mas não têm buscado sinceramente a virtude cristã.

4) Entre muitos cristãos liberais, uma busca radical pela santidade é frequentemente suspeita, porque qualquer conversa de comportamento certo ou errado parece farisaico e intolerante. Se devemos ser “irrepreensíveis e sem mácula”, é necessário distinguir entre os tipos de atitudes, ações e hábitos que são puros e os tipos que são impuros. Esse tipo de distinção te coloca em problemas com os fiscais do pluralismo.

5) Entre os cristãos conservadores, existe às vezes a noção errônea de que, se somos verdadeiramente centrados no Evangelho, não falaremos sobre regras ou imperativos ou exortaremos cristãos ao esforço moral. Para ser claro, existe um risco de ensino moralista por aí, mas algumas vezes, vamos ao outro extremo e agimos como se a Bíblia não falasse sobre moral. Estamos tão ansiosos em não confundir indicativos com imperativos (um argumento que defendi várias vezes) que, se não formos cuidadosos, nos livraremos de todos os imperativos. Tememos palavras como diligência, esforço e obediência. Diminuímos versos que nos chamam a por em ação a nossa salvação com temor e tremor (Fp 2.12) ou nos ordenam a nos purificar de tudo o que contamina o corpo e o espírito (2 Co 7.1) ou nos advertem mesmo contra qualquer menção de imoralidade entre os santos (Ef 5.3). Descubro que você pode encontrar muitos jovens cristãos hoje que estão realmente empolgados em relação à justiça e serviço a nossas comunidades. Você pode encontrar cristãos inflamados quanto ao evangelismo. Você encontra muitos crentes das gerações XYZ apaixonados por uma teologia precisa. Sim e Amém para tudo isso. Mas onde estão os cristãos conhecidos por seu zelo pela santidade? Onde está a paixão correspondente por honrar a Cristo com uma obediência semelhante à Cristo? Precisamos de mais líderes cristãos em nossos campi, em nossas cidades, em nossos seminários, que dirão com Paulo: “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem” (Efésios 5.15)?

Qual foi a última vez que tomamos um verso como Efésios 5.4 – “Não haja obscenidade nem conversas tolas nem gracejos imorais, que são inconvenientes, mas, ao invés disso, ação de graças” – qual a última vez que pegamos um verso como esse e começamos a tentar aplicá-lo a nossas conversas, piadas, filmes, vídeos do Youtube, televisão ou compras? O fato é que se você ler as epístolas do Novo Testamento você encontrará poucos mandamentos explícitos para que evangelizemos e muitos poucos mandamentos que nos dizem para cuidarmos dos pobres em nossas comunidades, mas existem muitos e muitos versos no Novo Testamento que nos instruem, de uma forma ou outra, a ser santos como Deus é santo (por exemplo, 1 Pedro 1.13-16).

Não desejo denegrir qualquer outra ênfase bíblica que chama a atenção dos jovens evangélicos. Mas creio que Deus gostaria que fôssemos mais cuidadosos com nossos olhos, nossos ouvidos e nossa boca. Não é pietismo, legalismo, ou fundamentalismo levar a santidade a sério. É o caminho de todos aqueles que foram chamados para uma santa vocação por um Deus santo.


Números ou nomes?


Você já se pegou sorrindo, chorando ou sentindo muita saudade de pessoas e momentos que viveu?
Tenho refletido um pouco sobre isso, sobre coisas que ficam guardadas na memória, sobre momentos que nos marcam e sobre atitudes que nos fazem deixar marcas nos outros.
Durante um período de reflexão, tenho pensado cada vez mais o quanto a qualidade é inversamente proporcional a quantidade desses momentos. Sim, pois quando passamos pela vida com o simples objetivo de querer mais (me refiro a mais diversão, mais relacionamentos, mais amigos, mais empregos, mais gratificações e mais coisas em que os “hóspedes” dessa vida nos dizem ser essencial para “aproveitá-la”) mais acabamos passando por elas sem dar o nosso melhor, sem ter o melhor delas e sem receber o melhor do outro, pelo simples fato de estar mais preocupados com a próxima conquista.
Nesse tempo me peguei pensando em pessoas que deixaram marcas na minha vida, (e dedico esse post a elas, sem citar nomes para não esquecer nenhum, mas a maioria sabem quem são) pessoas que fizeram talvez coisas simples como tantas outras, mas a diferença não está no que elas fizeram, mas como elas fizeram, investindo e dando o melhor de si em cada situação, esse algo ficou marcado em mim. Me peguei pensando que o que deixa marcas em nós não é o que elas fazem, ou o que nós fazemos, mas o quanto nos damos e o quanto trazemos desses momentos.

Na verdade não são quantas festas você foi que vai marcar, e sim a festa que foi diferente de todas as outras.
Não são quantos trabalhos você fez, mas aquele em que você perdeu dias e noites se dedicando.
Não é quanto você gastou na vida, mas o que você adquiriu com esse dinheiro.
Não são quantos beijos você deu, mas aquele que você realmente sabia que estava sendo Especial, pois era valorizado por quem estava recebendo.
Não são quantos finais de semana que você curtiu com a galera, mas aquele em que você olhou para seus companheiros e viu que não era o local, mas a companhia deles que fazia diferença.
Não são quantas experiências novas você curtiu, mas quais delas fizeram de você alguém novo.
Não são quantos abraços você deu, mas aquele que você recebeu que lhe acalmou a alma, ou que deu em alguém que só tinha ele como o porto seguro.
Não são quantos amigos você teve, mas são aqueles que estiveram do seu lado quando parecia que você não tinha mais nenhum.
Não são quantos conselhos você deu ou recebeu, mas o que eles produziram nas pessoas e em você.
Não são quantas lágrimas você derramou, mas o que elas trouxeram de aprendizado.
Não é quanto tempo da sua vida você sorriu, mas é aquele momento em que você não tinha nenhum motivo mas você entendeu que Deus piscou o olho pra você, e disse que tudo iria dar certo.Esse post não foi feito para ter um fim aqui, pois não são a quantidade de reflexões que você leu, mas quais delas lhe fizeram realmente refletir.
Essa é minha intenção, que nesse mundo de quantidades você comece a prestar a atenção na qualidade, que se lembre das marcas que possui e que pense em quais marcas tem deixado nos outros, ou até mesmo se tem deixado alguma.
Sua vida é um livro em branco, e aí, Vai escrevê-lo com nomes ou com números?
Jaqueline Graziela

Há Esperança


O que esperamos de um novo ano? A maioria de nós espera sempre o melhor, mas isso tem se tornado cada dia mais raro.
Nossos dias têm sido marcados por acidentes, desastres, violência, falta de respeito e amor ao próximo... Falta de valores! Ter esperança tem sido sinônimo de ser utópico, acreditar no impossível, coisa de sonhadores. Mas sem ela, em que acreditar? Sem a fé que nos agarra na possibilidade de dias melhores como sobreviver?

Mais um ano se inicia, e o melhor presente que nós temos a lhe oferecer hoje é a Esperança. Uma palavra simples, que traduz um sentimento que poderia ser tratado como uma âncora, nos impedindo de naufragar em um mar de desespero.
Em um gesto de respeito, no cuidado de um órfão, no resgate de acidentados ou em uma demonstração de carinho... SIM, Há Esperança! Há Esperança se acreditarmos que nós somos responsáveis por muitos desses atos, que “gentileza gera gentileza” e que “amar ao próximo como a si mesmo” é um mandamento eficiente nessa conquista.

Há esperança principalmente quando acreditamos que nossa vida não se resume ao que vemos, que independente das mazelas deste século existe um Deus que enviou o seu filho para morrer por nós um dia, e que essa morte nos trouxe a maior de todas as Esperanças: a Vida Eterna!

Este ano eu te convido a acreditar, ainda que seja impossível ver, isso se chama: Esperança!


“Mas, esperança que se vê não é esperança. Quem espera por aquilo que está vendo? Mas se esperamos o que ainda não vemos, aguardamo-lo pacientemente.”
Rm 8:24,25
Jaqueline Graziela

Fora da Caixinha



Eu quero amar a Deus fora da caixinha.
Fora da caixinha instituição. Fora da caixinha teórica. Fora da caixinha de achismos, quilômetros fora da caixinha legalista.


Se as pessoas o fazem no domingo eu quero começar a me arrepender na sexta e na segunda conseguir tirar meu extrato do banco e agradecer, sincera, por não ser escrava do dinheiro. Ainda na quarta-feira vou acordar com o frescor da misericórdia pulsando no céu da boca. E no sábado, na esquina da frustração, vou dar meia volta, pular o meio fio e cair de joelhos na frente de um trono onde eu encontro curativo, abraço, e graça, em tempo oportuno… seja esse tempo outono, verão, segunda ou sábado.

Se todo mundo faz questão de divulgar / RT suas boas obras pra receber a recompensa terrena da admiração dos homens, eu quero fazer escondida, pra só Deus ver. Pra então só Ele me recompensar, do jeito dEle, quando Ele quiser. Porque bons amigos mantém segredos.
Eu quero viver o amor de Deus fora da caixinha.


Se todo mundo ainda encara os cultos na igreja como um ritual, ou pior que isso, como um encontro social, eu quero andar como quem sabe que o véu foi rasgado e ir adorar a Deus com o meu melhor sorriso, celebrar a salvação, encher a boca do pão da Palavra e confessar de boca cheia que não tenho feito o suficiente para que meus irmãos não morram tanto de desnutrição. A pior desnutrição. A de amor.


Quero ser hoje melhor que ontem, melhor pra Deus e não melhor que meu irmão. Quero deixar o Espírito Santo me tornar sensível a ponto de enxergar a necessidade do meu próximo, e ajudá-lo ainda que ele não seja meu amigo íntimo.
Quando eu sentir vontade de chorar, além de deixar as lágrimas saírem sem culpa, também o farei com minhas palavras, sabendo que o meu Deus me entende, porque em Jesus Ele não veio ser crente. Veio ser humano.

A inspiração do Espírito vai tocar os meus cabelos junto com o vento, na fila do super mercado. Eu vou pegar uma caneta na bolsa e, mesmo sem entender tudo, vou anotar as palavras até então desconexas, no meu bloquinho amarelo. Junto com o troco vou sentir vontade de entregar pra atendente de caixa a minha anotação no papelzinho amarelo. Quando eu puxar o papel e ele se soltar da espiral, uma mágoa também vai se desprender de uma vez do coração da moça e naquela noite ela vai dormir sabendo que Jesus, criativo que só, ainda quer usar os tijolos pesados do seu passado, como degrau pra ela chegar mais rápido perto dEle.

No fim do dia, vou respirar fundo debaixo do chuveiro e sorrir. Vou sentir cada bolha no meu pé e dar uma gargalhada leve como inocência de criança. Vou deixar a água escorrer e fazer graça da casca graciosa que meu Pai emprestou pra alma morar. A condenação está indo pelo ralo e nos meus pulmões está entrando a alegria. Aquela que começa a nascer devagarzinho e cresce como um tornado. Aquela que só acontece quando consideramos a suficiência de Cristo.
Eu quero amar a Deus fora da caixinha e caminhar como quem acredita que Ele jamais, JAMAIS caberia ou se manifestaria de verdade dentro de caixas com dimensões programadas por alguém falível e pequeno como eu. Eu quero amar a Deus.


“Deus purificará a nossa consciência de obras mortas, pra servirmos ao Deus vivo!” Hb 9:14b

Pedro tu me amas??

“PEDRO, TU ME AMAS?”

Pedro havia negado Jesus três vezes...
No entanto, para Jesus, a questão daquela manhã de sol nascente das alturas na quieta praia de Tiberíades era apenas uma: “Tu me amas?”
Até na hora de lidar com a negação e com a traição, Jesus é completamente diferente de tudo e todos, e completamente coerente com Seu próprio Ser-Ensino. O Verbo se fez carne, por isso o Ser-Ensino de Jesus são um.

O que diriam as nossas lógicas de amor?
  • “Se ele amasse, jamais teria feito o que fez” — e, assim, se atribui impecabilidade ao amor humano.
  • “Ama, mas não tem raízes em si mesmo” — diria a sofisticação psicológica.
  • “É egoísta demais para amar” — diria uma voz moral piedosa e certa.
  • É cedo demais para perdoar você. O que fazes aqui entre os outros?” — diria o Mestre das Disciplinas.
  • “Nunca mais será a mesma coisa. Como poderei confiar em você outra vez?” — diria a razão mais humana e ressentida.
  • "Pode ser que ainda dê, um dia... quem sabe? Mas você terá que fazer um longo caminho de volta!” — diria um piedoso e quase esperançoso pastor de almas.
  • “Já que você insiste, verei do que você é feito. Colocarei um diretor espiritual para supervisionar você” — diria um ser crente na fabricação de caráter e de fidelidade.
  • “Sinto muito, Pedro, mas já não é possível. Você jogou fora a sua chance, embora eu o tenha advertido várias vezes” — diria a razão fria e justa.
  • “Você está perdoado, sem ressentimentos, vá em paz; pois não há mais clima para a gente prosseguir” — diria o melhor dos homens.
  • “Logo você, em quem tanto confiei! Como pode fazer isso? Explique-me suas razões” — diria o bondoso justo.
  • “Meu Deus! E pensar que amei tanto você. Eu sou um santo idiota mesmo!” — diria um Deus com alma de esposa ou de marido.

No entanto, Jesus apenas pergunta: “Tu me amas?”


E com isso Ele admite que o amor humano peca, trai, nega, se engana, enfraquece, pode ser egoísta, é capaz do impensável, é passível de repetir o mesmo erro, não apenas três vezes, mas até setenta vezes sete.
Jesus não estava buscando perfeição, mas apenas um amor que pudesse ser aperfeiçoado no próprio amor... no Caminho.“Tu me amas?” — pergunta Ele três vezes.

Ao que Pedro responde, dizendo, humilhadamente, um “sim” cheio de vergonha, e até se sentindo um sem caráter por ainda ter a coragem de confessar amor tendo negado.
Pedro diz “sim, sim, sim”... mas não o faz sem a angústia de quem não quer ser visto como cínico!
Pedro ama. Ama com amor que é dele, com o amor que lutava para ser amor no chão raso de sua alma. Mas era amor, e isso ele não podia negar. Ele admitia que negara Jesus, só não podia admitir que não amava Jesus.

Jesus sabe que às vezes se ama apesar de...
Jesus sabe que o único amor que ama sem nenhum apesar de... é o Seu próprio amor, de mais ninguém.
Jesus ama os nossos amores, apesar de... Pois Ele sabe que quem não ama apesar de... esse deve se oferecer para ser o Salvador dos homens.
“Tu me amas?”
Pedro não tem mais o que dizer. Provar amor? Meu Deus! Levaria o resto de sua vida, e teria que demonstrar isso não apenas com ações, nem com palavras apenas, e, se fosse o caso, deveria provar tal amor com dores de alma até a morte.
Pedro não tem meios de provar nada. Não tem o poder de reverter quadros e nem de apagar memórias. E também não suportaria ficar gemendo o resto da vida num canto de sua casa a fim de provar a Jesus que o amava apesar de...
Provar que se ama pode ser o inferno!
Pedro está perdido. Quem o ajudará? Quem testemunhará em seu favor? Quem terá garantias a oferecer em seu nome? Quem seria o fiador de seu fracassado amor?
A esperança de Pedro quanto a provar a Jesus que ele O amava era o próprio Jesus.
“Senhor, Tu sabes todas as coisas... e se as sabes, certamente Tu sabes que eu Te amo!”
Assim, Pedro não tem argumentos, nem explicações, nem mesmo se oferece para padecer como prova eterna de seu amor... no inferno do amor...
Pedro não quer o inferno do amor... ele quer ser salvo do inferno de sua alma pelo amor... e só Jesus poderia fazer isso, pois somente Jesus sabia o que existia no coração dele.
Assim, ele está tão certo de sua total incapacidade de vencer os fatos esmagadores com argumentos ou mesmo com penitências, que ele apenas recorre a uma certeza: Jesus conhece meu coração!
“Senhor, Tu sabes todas as coisas; Tu sabes que eu Te amo!”
Chega uma hora quando todos os argumentos cessam, quando não há explicações a serem dadas, quando toda fala é cinismo, quando todo gesto parece compensatório e auto-justificató rio, e quando toda e qualquer promessa de fidelidade e lealdade apenas cerram sobre a alma a porta da masmorra das infindáveis penitências.
Pedro amava, mas não queria que seu amor fosse sepultado vivo na morte!
A resposta de Jesus é de confiança!
Sim, Ele sabe que Pedro O ama apesar de Pedro, de seu egoísmo, de sua vacilação, de sua pusilanimidade, de seus ímpetos inconseqüentes, de suas coragens pouco resistentes, de seus vícios de fuga...
“Pastoreia as minhas ovelhas... os meus cordeirinhos. .. esse povo que me ama como tu... que ama e que trai... Tu, que agora sabes quem és, pastoreia nesse amor esses que são como tu mesmo”.
E conclui: “Agora, vem, e segue-me...”
Jesus não bota o amor de castigo, parado no ponto e na esquina da negação, frizado na vitrine do espetáculo da fraqueza, preso para sempre aos seus próprios pecados.
Jesus sabe que a cura para a traição e a fraqueza só acontece no Caminho, enquanto se O segue, e no chão da vida, onde o amor terá a chance de ser amor, e não negação.
Trai-se na vida; ama-se na Vida. Nega-se na vida; se é curado na Vida. Somente na vida o que é, é; e pode se manifestar!
Sem que seja assim o que resta é deixar Pedro em Tiberíades para sempre, envolto nas malhas de suas angústias, pescando os peixes que fogem dele, existindo numa seqüência de dias que já lhe são o próprio inferno.
Nossa salvação é uma só: O Senhor sabe todas as coisas, e quem sabe que ama apesar de... não tem outra chance se não confiar no que Jesus sabe em nós e acerca de nós, pois se o que há em nós é verdade, Ele em nós aproveitará toda verdade de amor para o nosso próprio bem.
Confie. Ele conhece você!

Caio


Fonte: http://www.caiofabi o.net/2009/ conteudo. asp?codigo= 02771&format=si