Ocorreu um erro neste gadget

Quem não é achado pela graça... acaba caçando Deus

"E então vinha o homem, ao entardecer, na viração do dia, remexendo entre arbustos e galhos de árvores maiores, quando de repente sua presa deu-se por vencida. "Te peguei, Deus! ... que coisa feia... fugindo de mim?"
Sei que todos nós sabemos que não foi assim, mas é a cena que vem à minha mente quando ouço falar no termo “caçador” de Deus. Um Deus acuado, sem ter pra onde correr senão para os braços daquele que lhe “acolherá”. Papéis invertidos? Lógico! Palavra deturpada? Sem dúvida alguma.

O homem sempre esteve em busca de Deus, sempre “caçou” Deus... e todas as tentativas dessa perseguição do elemento divino terminaram inexoravelmente em RELIGIÃO. A religião é isso: o homem em busca de Deus, uma busca desesperada, pelos seus próprios esforços, sacrifícios, na tentativa de prender esse mesmo Deus ao seu sistema de ritos, doutrinas e convenções humanas. A religião é, portanto, inerente ao ser humano.

O vazio existencial, o buraco negro da alma em busca de algo que o possa preencher, tudo isso clama pela religiosidade. E ela então chega, como se fosse a salvação para o homem. O homem então se entrega na sua busca de Deus, fazendo dele a caça, o alvo a ser alcançado, atingido... para depois de preso, estar sujeito aos seus caprichos e deleites.

Ordens dadas a Deus, decretos em que Deus nada mais é do que um serviçal, orações que comandam o braço de Deus, palavras mágicas que “liberam” o poder de Deus, isso tudo fica bem na boca dos bruxos e magos da religião, tenham eles os títulos de bruxos, mestres, pastores, bispos ou apóstolos. Bruxaria sempre será bruxaria venha de onde vier, principalmente dos mandatários da religião.

A bruxaria evangélica não é diferente. Parte da presunção de alguns em, com palavras mágicas (abracadabras evangélicos), manipularem o braço de Deus. Deus então, segundo essa “tiologia”, se vê obrigado a fazer o que os seus “profetas” ordenam. Deus está preso! Deus está enclausurado! Deus foi caçado! Deus está morto! Nietzsche parece ter razão. Deus está morto! Nós o matamos!

Porém, há algo novo, sempre novo. Chama-se Evangelho. E evangelho é algo totalmente diferente de religião. Religião escraviza, evangelho é boa-nova de libertação... é boa!! E é nova!!! Sempre nova... sempre renovando!

O Evangelho acontece ao contrário, na contra-mão da religião. Na viração da tarde, na ausência de cor para a continuação do dia é Deus quem toma a iniciativa. “Adão... onde estás?”. Isso é evangelho, isso é graça!! O homem pecou... Adão pecou... eu pequei em Adão... mas Deus.... e esse “mas” faz toda a diferença. Esse “mas” é a diferença entre a religião e o evangelho da graça. Estávamos mortos em nossos delitos e pecados, MAS DEUS... e isso muda a história.

A iniciativa da caça é dele! E não é uma caça para exterminar o objeto caçado. Somos alvo do AMOR de Deus. Essa caça é que nos traz vida! Somos caçados para a vida, e não para a morte. A salvação foi, é, e sempre será iniciativa de Deus.

A cruz ressoa desde a eternidade... sobre a manjedoura de Belém já pairava a sombra de uma cruz, a cruz preparada desde a eternidade e sobre ela o cordeiro imolado por nós desde a fundação do mundo. Isso é graça! Eu não mereço... eu não busco, eu não caço Deus. Ele me ama... me busca... me encontra.... me abre os braços... eu só descanso nEle... e a obra é ELE quem faz e continua fazendo até o dia dEle mesmo.

Fui seduzido... deixei-me seduzir! Fui preso na sua graça! Fui enclausurado em sua liberdade, não tenho como deixar de ser livre! Fui caçado na viração do dia. Morri! Ele vive em mim! Deus está vivo! A Bíblia tem sempre razão! O meu Redentor vive... e por fim se levantará sobre a Terra. Pra quê religião se tenho o evangelho da graça? "

Por José Barbosa Junior

Estudante de Teologia no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil


www.crerepensar.com.br






1 comentários:

[aLaN CHarLeS] disse...

Que linda palavra Jaque! Uma visão cheia de entendimento... É desse jeito mesmo, nossas atitudes de buscar a Deus muitas das vezes em momentos de angustia como solução de problemas, porem quando estamos bem, esquecemos dEle e trocamos um domingo de irmos a igreja nao apenas para ouvir a palavra, mas deixando de ouvir a Deus para sair com os amigos, ir ao shopping. Dai quando se ta precisando Dele, ai sim abrimos mao de tudo pra "frequentar a igreja".
Se somos infiéis, Ele permanece fiel, pois não pode negar à sua palavra! (II Tm 2:14)

Eu tenho vivido experiencias tão reais com Deus que eu queria que todo mundo tivesse o mesmo entedimento que voce. Saber que Deus nao está ali somente para nos ajudar, mas ele quer um relacionamento conosco. Seja um relacionamento de Pai e filho, de amigos, de Mestre e discipulo, nao importa, Deus quer ter uma relacionamento conosco, porque ele verdadeiramente nos ama.

"Ele me ama... me busca... me encontra.... me abre os braços... eu só descanso nEle.."

E o que deixo a você é que "Aquele que começou a boa obra em sua vida é fiel pra terminar" (Fp 1:6).

Deus abençoe!!

Postar um comentário