Ocorreu um erro neste gadget

O que você espera de Deus??

Sendo bastante impactada com algumas leituras..
E nessa semana fui conforontada sobre isso, sobre a diversas veses que nos "decepcionamos" com o Senhor. Mas o Senhor nunca deveria nos decepcionar, Ele cumpre sempre o que promete, o problema é quando o cobramos por aquilo que Ele NÃO promete, quando achamos que merecemos alguma coisa, talvez quando achamos que estamos dando-O o bastante suficiente para sermos gratificados..

Hahh!! Então quer dizer que não fazemos isso??
A frase que mais me impactou foi a seguinte:


"Quando uma pessoa acha que você deve alguma coisa a ela por tudo que fez por você, na verdade ela não fez POR VOCÊ, mas por ela mesmo, investindo em alguma coisa que um dia lhe seria paga"


Quantas veses fazemos isso com o Senhor?? Isso não é algo fácil de se adimitir, mas sempre que reclamamos que algo de bom não nos acontece estamos dizendo que merecíamos algo melhor, o que quer dizer que estamos sendo suficientementes bons para Deus e queremos nosso pagamento. por isso.

Se você acha que está fazendo o suficiente pra Deus REFLITA, talvez não esteja fazendo 'Pra Ele', mas para você próprio, como uma poupança que se investe quando sobra algum valor e que está sempre ali pronta pra ser sacada no momento de necessidade.

Lembre-se que Ele mesmo disse que "todas as nossas justiças são como trapos imundos".(Is 64:6)

Deus não quer que O sirvamos pro obrigação ou por investimento, mas por AMOR, você não tem prazer em se doar a quem não ama, mas quando se trata do ser amado, servir e abrir mão pela felicidade do próximo se torna o alvo principal do nosso relacionamento, pelo simples fato de ver a pessoa amada sorrir, assim deveria ser com o Senhor!

Que façamos o melhor pra Ele, mesmo que isso seja não ter nada em troca!!
Jaqueline Graziela
(Baseado na Reflexão do Livro: "Por que você não quer mais ir a igreja)

Caminhar, que coisinha difícil...


Refletindo sobre a seguinte cena:
Uma criança começando a andar, a pouco tempo ela deixou de engatinhar e agora tenta dar os primeiros passos...

-Poxa! Como eles são difícieis, aqueles adultos parecem fazer isso tão facilmente, mas eu não consigo.. me falta equilíbrio, forças, direção..
Quando acredito que to conseguindo me distraio aí pronto... "bumbum" no chão...
Será que nunca vou conseguir?? A queda dessa vez doeu bastante, acho que vou desistir, isso só machuca, machuca, machuca.. melhor continuar engatinhando, um dia eu chego lá também.
Só vou demorar mais, e me sujar, talvez até me arranhar também. Talvez eu nao consiga chegar a todo canto engatinhando...
E agora?? Mas tem que ser andando?? Esses adultos não imaginam o quanto isso é difícil pra mim. Acho que não fui feito pra isso. Acho não, tenho certeza, não pode ser que uma coisa tão simples pra eles eu não consiga fazer.. é descobri, o problema está comigo.

Isso lhe soa familiar?? Tá rindo do drama da criança?? Mas você já prestou atenção no rostinho delas de assustadas e algumas veses frustradas nessa hora?
Eu andei prestando e me vi nelas. Como?? Pense comigo..

Na nossa caminhada Cristã, quando entendemos que algumas coisas devem ser feitas e outras deixadas de fazer. Quando olhamos Cristãos que já alcansaram esse aperfeiçoamento nesta área e olhamos pra nós mesmos, quando tentamos e logo no começo desequilibramos e caímos...
Poxa, pra eles parecem tão fácil né? Ninguém imagina o quanto é difícil pra nós, e quando essa queda dói... ai que vontade de desistir...
Mas vamos além da mente da criança agora, já prestou atenção ao redor dela?? Quantas pessoas queridas e que a ama está ali torcendo por ela e pronta para ajudá-la, confortá-la e levantá-la a cada nova queda?
O Pai sabe que iremos conseguir, é uma questão de tempo, de treino, de eforço, a cada novo passo uma nova vitória, um novo sorriso... "Esse é meu garoto!"
E ainda que não haja pais humanos, o Senhor não se compara a eles (Sl 27:10), há um Deus no céu que tem prazer em cada pequeno passo que tentamos dar, as crianças maiores podem até zombar de nós por não conseguimos, ou nem prestar atenção pois acha a coisa mais banal, já se consideram em outro nível (mal sabe elas que cada um tem uma área da sua vida que ainda está engatinhando)...

Não se importe, não desista, deixe de olhar para a queda, para suas pernas, para as dificuldades.. Olhe pro objetivo, o deseje, busque-o, caminhe, vamos lá.. um passo de cada vez.
Quando cair olhe pra cima, veja o sorrizo dele e sua mão estendida pronta a te levantar pra recomeçar, não precisa ter medo, Ele sabe que você está dando o seu melhor (SE você está dando Ele sabe)...

Pronto pra tentar novamente?? Treinando assim é uma questão de tempo hein?? e não só de caminhada mas de carreira, mas calma, uma coisa de cada vez, quando a caminhada estiver firma aí sim você pode pensar em correr... logo, logo você chegará ao destino.

Estou torcendo por vc. ;)
Fique com Deus!

Jaqueline Graziela

Quem não é achado pela graça... acaba caçando Deus

"E então vinha o homem, ao entardecer, na viração do dia, remexendo entre arbustos e galhos de árvores maiores, quando de repente sua presa deu-se por vencida. "Te peguei, Deus! ... que coisa feia... fugindo de mim?"
Sei que todos nós sabemos que não foi assim, mas é a cena que vem à minha mente quando ouço falar no termo “caçador” de Deus. Um Deus acuado, sem ter pra onde correr senão para os braços daquele que lhe “acolherá”. Papéis invertidos? Lógico! Palavra deturpada? Sem dúvida alguma.

O homem sempre esteve em busca de Deus, sempre “caçou” Deus... e todas as tentativas dessa perseguição do elemento divino terminaram inexoravelmente em RELIGIÃO. A religião é isso: o homem em busca de Deus, uma busca desesperada, pelos seus próprios esforços, sacrifícios, na tentativa de prender esse mesmo Deus ao seu sistema de ritos, doutrinas e convenções humanas. A religião é, portanto, inerente ao ser humano.

O vazio existencial, o buraco negro da alma em busca de algo que o possa preencher, tudo isso clama pela religiosidade. E ela então chega, como se fosse a salvação para o homem. O homem então se entrega na sua busca de Deus, fazendo dele a caça, o alvo a ser alcançado, atingido... para depois de preso, estar sujeito aos seus caprichos e deleites.

Ordens dadas a Deus, decretos em que Deus nada mais é do que um serviçal, orações que comandam o braço de Deus, palavras mágicas que “liberam” o poder de Deus, isso tudo fica bem na boca dos bruxos e magos da religião, tenham eles os títulos de bruxos, mestres, pastores, bispos ou apóstolos. Bruxaria sempre será bruxaria venha de onde vier, principalmente dos mandatários da religião.

A bruxaria evangélica não é diferente. Parte da presunção de alguns em, com palavras mágicas (abracadabras evangélicos), manipularem o braço de Deus. Deus então, segundo essa “tiologia”, se vê obrigado a fazer o que os seus “profetas” ordenam. Deus está preso! Deus está enclausurado! Deus foi caçado! Deus está morto! Nietzsche parece ter razão. Deus está morto! Nós o matamos!

Porém, há algo novo, sempre novo. Chama-se Evangelho. E evangelho é algo totalmente diferente de religião. Religião escraviza, evangelho é boa-nova de libertação... é boa!! E é nova!!! Sempre nova... sempre renovando!

O Evangelho acontece ao contrário, na contra-mão da religião. Na viração da tarde, na ausência de cor para a continuação do dia é Deus quem toma a iniciativa. “Adão... onde estás?”. Isso é evangelho, isso é graça!! O homem pecou... Adão pecou... eu pequei em Adão... mas Deus.... e esse “mas” faz toda a diferença. Esse “mas” é a diferença entre a religião e o evangelho da graça. Estávamos mortos em nossos delitos e pecados, MAS DEUS... e isso muda a história.

A iniciativa da caça é dele! E não é uma caça para exterminar o objeto caçado. Somos alvo do AMOR de Deus. Essa caça é que nos traz vida! Somos caçados para a vida, e não para a morte. A salvação foi, é, e sempre será iniciativa de Deus.

A cruz ressoa desde a eternidade... sobre a manjedoura de Belém já pairava a sombra de uma cruz, a cruz preparada desde a eternidade e sobre ela o cordeiro imolado por nós desde a fundação do mundo. Isso é graça! Eu não mereço... eu não busco, eu não caço Deus. Ele me ama... me busca... me encontra.... me abre os braços... eu só descanso nEle... e a obra é ELE quem faz e continua fazendo até o dia dEle mesmo.

Fui seduzido... deixei-me seduzir! Fui preso na sua graça! Fui enclausurado em sua liberdade, não tenho como deixar de ser livre! Fui caçado na viração do dia. Morri! Ele vive em mim! Deus está vivo! A Bíblia tem sempre razão! O meu Redentor vive... e por fim se levantará sobre a Terra. Pra quê religião se tenho o evangelho da graça? "

Por José Barbosa Junior

Estudante de Teologia no Seminário Teológico Batista do Sul do Brasil


www.crerepensar.com.br