Ocorreu um erro neste gadget

O Jesus que eu conheci..



Essa é um pouco da minha história..Estranho escrever tanto o que eu penso sem nunca ter escrito o que realmente vivo, e como me relaciono com esse Deus que eu tanto falo...


Li uns textos muito lindos sobre "Jesus e EU.." numa sério do blog do Maicon Custódio e me inspirei muito a escrever a minha história (baseado no texto "Jesus e Eu... por toda a vida")


Cresci num lar cristão, meus avós paternos são católicos e minha avó materna evangélica, essa sempre teve uma inflência maior sobre a minha vida, consequencia do tempo que ficava na casa dela enquanto meus pais trabalhavam. Ela me apresentou o primeiro Jesus, o filho de Deus que é um homem bom, que está na igreja e que devemos fazer as coisas certas pois ele iria ficar muito "contente".

Na minha adolescância conheci o Jesus que estava me vijiando, que estava sempre de olho nas minhas conversas e diversões com os amigos, e que sempre me apontava o dedo quando eu não me comportava como o pessoal da igreja deveria se comportar. Sempre ouvia Ele dizer: “não pode”.“Não faça isso.” “Não pense nisso.”“Você vai pro inferno.”
Quando minha mãe se converteu eu conheci um Jesus que transforma, que faz as pessoas escolherem fazer as coisas certas mesmo sem ser obrigadas a isso, tornando isso uma coisa boa. Mas eu ainda não tinha vontade de fazer essas coisas, Aquele Jesus era cheio de regras e eu não queria alguém que me controlasse, nem ainda sentia liberdade pra seguí-lo. Eu sempre era sincera com Ele, me entregaria um dia se Ele quisesse, mas Ele teria que fazer com que isso fosse voluntário e não um sentimento de prisão, só tinha medo de uma coisa: A volta de Jesus que me falavam, algo me dizia que realmente eu não iria...

Realmente Aquele Jesus me conhecia (ainda que eu não O conhecesse), e por volta dos 18 anos Ele resolveu mexer com minha vida de uma forma que eu visse que precisava Dele. Não foi o melhor momento da minha vida (pelo contrário, foi um dos piores) mas eu sabia que algo me levava a Ele. Fui a uma igreja que me apresentou outro Jesus, um Jesus que se preocupava comigo, um Jesus que realmente queria colocar ordens na minha vida, bastava somente eu entregá-la nas suas mãos e foi a melhor decisão que eu tomei.

Desde então a minha vida é Dele, sei que Ele me conhece por inteiro, mas nem todo mundo conhecia como Ele se relaciona, e algumas características que me apresentaram foram bastantes distorcidas do que Ele realmente pretendia comigo. Desde o início dessa entrega eu tentei seguir o padrão das outras pessoas que o seguiam, mas parece que não funcionava. Quanto mais Ele fazia por mim, mas eu achava que precisava recompesá-lo ou fazer alguma coisa para merecer aquele cuidado.. com um tempo isso se tornou um peso, ser igual a Jesus era uma cobrança muito grande para mim, se é que alguém conseguia, eu não...
Qual não foi minha surpresa ao me deparar com um novo Jesus. Esse sim tem me supreendido. As pessoas que tentaram me explicar até que deram muito das suas características, mas não se conhece alguém ouvindo sobre, mas sim convivendo..

" E é difícil falar dele. Parece que faltam palavras que O definam. Ele é inflexível nas suas leis, como o Jesus da minha adolescência, mas não é agressivo. Tem uma autoridade diferente no olhar, que ao mesmo tempo intimida e consola. Não me dá medo, mas segurança.
Ele entende o que sinto. Perdoa quando faço “coisas feias”. Isso me comove e muitas vezes, como agora, me faz chorar. Nunca sei se é de tristeza ou de alegria, sei apenas que, quando o choro acaba, a dor passou e já me sinto melhor. Sei que com ele está tudo bem.
Ele não fala comigo todos os dias, mesmo assim não consigo esquecê-lo momento algum. Parece que agora tudo em mim aponta pra ele. Se eu tivesse um pouco do talento literário de C. S. Lewis, esse texto teria ficado bem melhor. Meu Jesus é tão parecido com o Aslam de Lewis..."

Ele não me cobra a fazer a coisa certa, mas eu entendo que elas sempre são melhores pra mim, Ele não briga comigo quando não "converso" muito tempo com Ele, mas Ele anseia muito por esse momento pois sabe que assim crescerei e conhecerei os melhores sonhos que Ele tem pra mim. Quando eu caio, Ele não aponta me condenando, mas Ele me estende a mão me mostrando onde eu escorreguei. Ele não me coloca um peso nas costas, Ele já levou todos sobre a Dele...

Ele não me cobra para que eu fale sempre Dele, mas como não falar de alguém que é o sentido da sua vida??

Que todos vocês possam conhecer esse último Jesus, bem diferente de tudo que a religião apresenta, mas que é mais Real que qualquer amigo.

Por Favor, Seja fora de Moda

Nos últimos dias tenho refletido muito sobre o comportamento de alguns Cristãos que tem se preocupado mais em parecer igual do que diferente de uma sociedade. Antes de colocar isso em palavras li um texto de Tullian Tchividjian que descreveu totalmente minha linha de pensamento, mais ainda, gerou um apelo que se tornou o meu nesse momento. Segue:


"Minha maior preocupação é que muitos cristãos, especialmente na América, parecem estar tão fascinados com sucesso, popularidade, poder e prestígio quanto as pessoas que estão ao seu redor. Materialismo, consumismo, individualismo e narcisismo – ideais culturais que são a antítese da natureza sacrificial do Evangelho – estão prevalecendo tanto dentro da igreja, como fora. É triste que a igreja americana seja mais conhecida por produzir estrelas auto promovidas do que servos humildes.

Se cristãos praticantes fizessem uma lista honesta de quais objetivos e desejos os motivam, descobriríamos que eles não são realmente diferentes do mundo ao nosso redor. Portanto, não temos nenhum direito de apontar o dedo em acusação para aqueles que estão do lado de fora da igreja por conta da situação do mundo atualmente. Muitos estudos mostram que cristãos são praticamente iguais aos não cristãos no que se trata de buscar fama e fortuna. Cristãos querem se adaptar como qualquer pessoa. Então nós, como qualquer pessoa, gastamos nosso tempo, dinheiro e intelecto buscando o que todos estão buscando, seja lá o que for.
O problema é: eu quero ser um grande cristão, e eu quero que você também seja. Eu quero que a igreja esteja cheia de pessoas como
Policarpo. Policarpo foi um homem cheio do Espírito; eu quero ser um homem cheio do Espírito. Toda a existência de Policarpo foi dedicada a Deus e seus caminhos ‘fora de moda’. Nada além disso pode explicar sua perspectiva divina durante o momento mais difícil de sua vida. Ele se recusou a desistir e se deixar levar. Para ele, seguir a Deus não era uma piada ou um concurso de popularidade. Era um homem inebriado por Deus que viveu sua vida coram Deo (perante a face de Deus) e que não tinha medo de qualquer coisa que esse mundo pudesse fazer a ele.
Eu não sei você, mas eu não quero brincar com a minha vida. Eu quero largar tudo em nome de Cristo. Eu não quero que minha espiritualidade tenha um quilometro de comprimento e um centímetro de profundidade. Eu quero ter a coragem de não me importar e ser fora de moda. Sinto-me envergonhado por aqueles momentos em que tenho medo de ser ridicularizado em nome de Cristo por que o mundo pode pensar que eu sou muito estranho. Eu quero seguir incansavelmente a Deus e a sua vontade, independentemente do que vão pensar de mim. Quero viver minha vida, como diriam os Puritanos, diante de “uma platéia Única”.
Cristãos que tentam convencer o mundo ao seu redor que não são diferentes em nada, esperando ser aceitos pelos padrões do mundo deveriam se envergonhar. É hora dos cristãos aceitarem o fato de que são pessoas peculiares. Já que os verdadeiros seguidores de Jesus receberam um novo coração e uma nova mente, devemos agir de acordo com um novo padrão, com objetivos e motivações diferentes. Tudo ao nosso respeito – nossa perspectiva sobre riquezas, estilo de vida e relacionamentos – deve ser fundamentalmente diferente do mundo ao nosso redor: “Adoramos o que não podemos ver, amamos o que não podemos tocar, e vivemos pelo que não podemos possuir”. Para o mundo ao nosso redor, isso vai parecer diferente, sem graça, e estranho; passou da hora dos seguidores de Jesus aceitarem isso."


Tullian Tchividjian

FONTE: Iprodigo